sábado, 16 de setembro de 2017

MOBILIDADE URBANA E INTERURBANA...

A MOBILIDADE URBANA E INTERURBANA...


O maior crime praticado no Brasil nesse segmento foi impedir por causas escusas, a introdução de outros modais de transportes de pessoas e de cargas. Mas, isso não foi por acaso, nem tampouco por incompetência de pessoas (meros gestores) (1) responsáveis por estas áreas de atividades. O Brasil, lamentável e, adredemente, optou, ainda que de forma precária e finita, apenas pelo rodoviário, o mais oneroso e problemático de todos os disponíveis, sem contar que desativou o transporte ferroviário, deixando criminosamente suas malhas, vagões e composições ultrapassados apodrecendo e sucateados, mesmo os privatizados, como o caso de ALL (América Latina Logística) e outras pelo país afora com finalidade turística também precária, como é o caso da Serra do Mar no Paraná. Utilizar os rios, que são muitos e navegáveis, nem pensar, já que este modal é menos oneroso e, por isso, não desperta interesse à hegemonia mafiosa deste “gigante totalmente adormecido”. Temos, amiúde, visto Capitais como Curitiba, onde nunca se pensou em projetos como Metrôs e Trens de periferia, ou melhor, se pensou sim, mas foram todos abortados por "pressão consentida" de segmentos das empresas de ônibus de cinco famílias, para continuar andando nas “canaletas” subutilizadas onde se encontra os Tubos sufocantes, sem conforto e perigoso para a saúde dos usuários, nas quais se poderiam estar correndo os VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos). Assim, vamos suportando na cidade  um “Transporte Público” (ônibus) controlado por uma “caixa preta” chamada URBS (2), agora ainda mais protegida pelo Prefeito eleito, cada vez pior e problemático, açodado por greves, tarifas que aumentam aos “suspiros do petróleo”, já que este se submete a preços externos em cotações do “dólar”, pois a Petrobrás sucateada não consegue ser autossuficiente na produção, hodiernamente, mais do que nunca, pois o Serra conseguiu fatiar de forma ruinosa (3) para o país a potencialidade das reservas do Pré-sal. Sem contar que o modelo brasileiro, se é assim podemos adjetivar, está com suas vias totalmente congestionadas, tanto nas estradas, mal projetadas e construídas, quanto nas vias urbanas das cidades, sendo o maior exemplo, o de São Paulo. Se o país tivesse adotado outros modais, como, por exemplo, os trens elétricos e rios, as rodovias não teriam o acúmulo de veículos que temos hoje com acidentes pavorosos ceifando vidas que sobem a mais de 50 mil por ano (4).  Se não mudarem a curto prezo, com certeza, vai ficar PIOR! Quem tem o maior interesse na manutenção deste modal são fábricas de pneus, de ônibus e caminhões em larga escala. Para as empreiteiras de Obras não faz diferença, já que as mesmas terão serviços em quaisquer dos modais. A grande Paris (5), por exemplo, com 12 milhões de habitantes é uma cidade bem planejada em matéria de mobilidade. Lá você, turista ou não, dispõe de sete modalidades transportes, quais sejam: metro, trens elétricos e rodovias de periferia de alto tráfego, o rio Sena e seus afluentes, todos utilizáveis, VLTs pelas grandes avenidas, ônibus, táxis e Uber. Quer mais? Mas, lá na França predomina o “legítimo interesse público”, como é e deve ser. Aqui predomina o aleivoso “interesse privado” dos mais corruptos.


(1) Administradores profissionais tem compromisso com a Ciência da Administração.
(2) https://www.urbs.curitiba.pr.gov.br/            
(4) http://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/2014/09/mais-de-50-mil-pessoas-morrem-por-ano-vitimas-de-acidente-de-transito.html   
(5) https://pt.wikipedia.org/wiki/Grande_Paris 

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

PENSAMENTO DO DIA....

O INEDITISMO BRASILEIRO...

O Brasil é o único país no mundo (no mundo, viu?) em que um “crime comum” é completamente inimputável para o Legislativo, se o agente for político com mandato em vigor. É o caso, por exemplo, do “presidente” de nossa republiqueta em que o Michel Temer vem sendo protegido na Câmara Federal por deputados cooptados e, pasmem, por alguns ministros do STF. O que visam estas figuras de nossa nação vilipendiada? Será que são vantagens imediatas ou proteção/benefícios futuros? Esta “história” de que o país precisa ser poupado em crises maiores, pois mais uma queda de presidente aprofunda ainda mais a situação caótica político/econômica em que o país atravessa! E como se um Cirurgião Oncológico não quisesse extirpar todo o “Tumor” sob alegação de vai ser “invasivo demais” e o sofrimento do paciente vai ser maior. Aí se tira parte do “tumor” e a ameaça de “metástase” continua sendo ainda mais ameaçadora. A Nação brasileira tem três figuras principais na presidência da republica, ou seja, Michel Temer, Eliseu Padilha e Moreira Franco altamente desprestigiadas, em face de acusações de crimes contra o Patrimônio Público e desrespeito ao Povo brasileiro!


Obs. matéria já publicada em meu BLOG: http://blogdoveronesi.blogspot.com.br/        

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

QUEM NÃO CONSERVA O QUE TEM, A PEDIR VEM...


Minha mãe quando nós nos desfazíamos de algo e/ou de algum objeto conquistado com sacrifício, a mesma nos dizia aquele pensamento do título. Isso é o que vai acontecer com nosso país em face das desmesuradas PRIVATIZAÇÕES deste governo ilegítimo e de gestão amadorística. Já o disse várias vezes e volto a repetir. Um país só deve privatizar aquilo que não é estratégico e/ou que não se refere a Recursos Naturais exauríeis. Ora, porque exportar quantidades imensas de minérios de ferro, manganês e bauxita por multinacionais que dominam o mercado interno e internacional (1), quando podíamos industrializar aqui por empresas nacionais criando quantidades imensas de empregos, além de que os custos dos “insumos e de preços” seriam por nós dominados e controlados. É porque não temos governantes sérios e competentes motivados intransigentemente como o fez Getúlio Vargas que mostrou ao mundo que poderíamos ter uma das maiores petroleiras do mundo, agora em “inanição” em face de uma “política entreguista” (2) dos que tomaram o Poder. Na década de 50/60 o país queria expandir a prospecção de petróleo no nosso território já que a Petrobrás era ainda “uma criança”, todavia forças econômicas externas cobiçavam o seu domínio. Getúlio queria um país pujante e para isso precisava de infraestrutura e do petróleo como fonte de energia. Os debates eram inflamados, entretanto, a “mídia” como sempre apoiava e apoia os interesses externos. Um inglês chamado Mr. Link (3), à época funcionário da Petrobrás, apresentou alguns relatórios que mostrava uma triste realidade, ou seja, de que o território brasileiro tinha pouco petróleo, exceto em pontos que exigiam altos investimentos. Claro que isto já era direcionado, tanto que os engenheiros da Petrobrás não deram tanta importância ao relatório do Mr. Link e conseguiram em pouco tempo passar a 4ª maior empresa no mundo nesta categoria. Com a descoberta do Pré-Sal certamente a Petrobras passaria a maior do mundo, em especial porque tinha/tem sua especialidade para prospecção em águas profundas (4). Nessa linha a Petrobras poderia dar suporte às outras indústrias de base, como a siderurgia, metalurgia e outras que precisassem do petróleo. Entretanto, tudo isso foi adrede abortado, pois todas estas empresas já estavam na “lista de governos entreguistas de direita”, tais como de Tancredo Neves (abortado), Sarney, Collor, Itamar Franco, FHC e em parte de Lula e Dilma (5), mediante vantagens escusas, para serem inexoravelmente privatizados. Temer, mediante um “complô” de deputados cooptados de vários partidos, com destaque para o PMDB e PSDB, destituíram a Presidenta Dilma sob a alegação de que a mesma cometia “crime de pedaladas fiscais” (6) e logo em seguida, mediante lei, tornaram-nas legalizadas. Trocas e destituição de governos nesta república (ainda brasileira) temos visto desde sua proclamação em 1889 quando o primeiro presidente Deodoro teve que renunciar (7). Com o “leilão” de vários bens do Governo Federal, entre eles a Eletrobrás (8) considerada a “cereja do bolo”, não restam mais nada para o Brasil vender. Nesta semana (28/ago a 1º/set) o Temer está tentando vender a Eletrobrás e outras empresas aos chineses, o que parece não ser um leilão e sim mais uma transação dirigida de larga responsabilidade que o povo da Nação brasileira historicamente irá avaliar e julgar (9). A pergunta mais tétrica que fica no ar é a seguinte: sabemos que o país de longa data, por governos irresponsáveis, vem se desfazendo de seus últimos e mais preciosos bens e empresas de infraestrutura (10). Mesmo assim o país ficará com uma imensa Dívida a saldar. Certamente precisará no futuro de mais recursos financeiros. Aí, não terá mais bens e empresas a vender e ainda aumentará seu saldo DEVEDOR como sói acontecer!

(4) Lula e Dilma davam alguns “ovos” para não entregar a “galinha de ouro”.
(9) http://www.patrialatina.com.br/privatarias-do-temer/

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

PENSAMENTO DO DIA...

 As atitudes escrotas chegam às raias da intolerância


Hoje tomei conhecimento através da Imprensa que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) teve que entrar com um MS (Mandado de Segurança) no STF visando obter do Presidente da Câmara Federal providências no sentido de votar o seu Pedido de Impeachment contra o Michel Temer, já que o Sr. Rodrigo Maia está há pelo menos três meses “sentado em cima” do processo. O MS visa que o Presidente da Câmara ponha em votação o pedido da OAB ou negue tal procedimento. Sabe-se que o Sr. Maia é mui aliado do Senhor Temer, todavia esquecendo-se de que é um homem Público submetido a deveres e responsabilidades perante a LEI e a CF. Por incrível que pareça, mas é crível em outra versão, o MS (mandado de segurança) “caiu” nas mãos do Ministro Alexandre Moraes (amiguinho!) que provavelmente vai dar uma solução favorável ao TEMER. É tudo “muita coincidência”, não? Pode? Aqui, na república tupiniquim tudo pode! A OAB que fique “chupando os dedos”. E o Temer continua “belo e formoso” na presidência que eu não sei mais do que é!       

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

PENSAMENTOS DO DIA...


Dia 15 de agosto de 2017

As experiências vividas lá fora

Tentei comprar um produto relativamente caro na Europa e pedi ao vendedor que me concedesse o “pagamento em vezes” ao que o mesmo me respondeu negativamente, já que lá isso não existia. Aí, fiquei a raciocinar se lá (Europa) isso não pode, porque não é correto! Aí, também me lembrei de que quando eu exercia a atividade de Contador tive a oportunidade de receber uma proposta para fazer a liquidação de uma pequena empresa que comprava e vendia a prazo. Deparei com uma situação inusitada, pois para liquidar e fechar a empresa e dar baixa em todos os documentos juntos às várias repartições públicas teria que realizar todo o ATIVO (converter o crédito do Patrimônio) em valores financeiros vivos no período da LIQUIDAÇÃO para com estas DISPONIBILIDADES solver o PASSIVO da empresa. Aí vi que isto também seria impossível, já os valores pagáveis e/ou recebíveis da empresa eram IRREALIZÁVEIS sem “quebra de contrato”. Assim, concluí que o Brasil seria um país inviável se tivéssemos que fazer um BALANÇO para apurarmos o ESTADO PATRIMONIAL, ou seja, se PATRIMÔNIO LÍQUIDO ou PASSIVO A DESCOBERTO. Decretar a falência do Estado brasileiro também é impossível, já que o mesmo é infalível, apenas sujeito às moratórias (1)!


(1) Infalível no sentido de não falir; não confundir com não falhar.       

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O RETROCESSO DE UM PAÍS GERIDO PARA OS INTERESSES EXTERNOS.....

Soube hoje pelas Redes Sociais (1) que o Governo através de Leilão fez a concessão de quatro dos melhores aeroportos brasileiros. As empresas vencedoras foram uma alemã, uma suíça e uma francesa, as quais arremataram no total 3,72 bilhões de reais. Na mesma matéria a "g1.globo.com" noticia que o governo deverá entregar em privatização as empresas na área de energia, aeroportos, rodovias, portos, ferrovias e mineração. São 34 (trinta e quatro) projetos ao todo que ficarão na sua maioria sob domínio de multinacionais (2). O governo alega que tudo isso é para recuperar os investimentos e gerar empregos nesta época de crise. Ora, as crises em nosso país são recorrentes desde tempos imperiais, no entanto, as privatizações se intensificaram mais nos governos entreguistas do FHC, do Sarney, do Collor e agora no ilegítimo Temer, em que estão implodindo nossa melhor e maior estatal – a Petrobras (3) e a entrega do Pré-Sal sem contrapartida (4). Pode? Até quando vamos ter que aceitar governos incompetentes e mal-intencionados que só conseguem recursos financeiros na base da venda de todo nosso patrimônio nacional. E, o que pior, são bens e atividades estratégicas para segurança de nosso país, como o foram as Elétricas, as Ferrovias, as Mineradoras, a Metalurgia etc.. Nas privatizações do FHC lá estava todo empolgado de martelo na mão e sorridente o corrupto e entreguista José Serra; nas privatizações do Temer, apareceram os não menos corruptos o próprio TEMER ladeado, pelo Moreira Franco (“o angorá”) e o Eliseu (“o quadrilha”), conhecido de longa data. E quando não houver mais bens patrimoniais da nação brasileira para leiloar, estes governos “neoliberais capitalistas corruptos” vão fazer empréstimos para manter uma nação em crescente “déficit”? Certamente, há muito nosso país vem sendo manietado por forças bem conhecidas na corrida para o fortalecimento da industrialização interna, cujos horizontes ficam claros que lhes restam apenas a vocação agrícola. O grande problema da defesa dos interesses nacionais está na legitimidade e objetivo de interesse nacional para a qual o povo elege um deputado ou senador. Se o povo não sabe a índole e ideologia de seus candidatos, quando estes pisarem no Congresso, certamente não terão compromisso com seus eleitores. E sigla de Partidos políticos não orientam nada, pois houve até partidos que se "diziam de esquerda" que apoiaram o golpe do Temer! Isto só poderá ser resolvido se houver uma Reforma Política na qual fique consignado na Lei que o eleito terá que cumprir rigidamente o “programa do partido” sob pena de ser sumariamente expulso com perda do Mandato. Vejam o que aconteceu com a Argentina! No meu tempo de criança nossos “hermanos” do sul tinham o melhor e mais rico país na América do Sul e Central. Dispunha do maior rebanho bovino e a melhor carne; leite e lacticínios em profusão, melhor e maior “sistema ferroviário”; autossuficiência de petróleo e sua moeda (peso) valia ouro. Sem falar que a Evita Perón disseminou escolas de níveis médios e superior aos quatro cantos do país no pós-guerra em um mundo completamente em crise (5). Hoje é um país “de joelho” perante os banqueiros internacionais (5), endividado e ainda sem os bens que foram amealhados por todo povo argentino. Sem contar que os problemas das Dívidas Argentina vêm de longe e seu tratamento fica a critério de um Tribunal de Nova York, quando deveria ser num Tribunal internacional neutro.         

(1) http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/governo-arrecada-r-372-bilhoes-com-leilao-de-aeroportos.ghtml
(2)  http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/governo-temer-anuncia-concessao-ou-venda-de-25-projetos-de-infraestrutura.html
(4) https://www.brasil247.com/pt/colunistas/altamiroborges/242991/Golpe-para-entregar-o-pr%C3%A9-sal-EUA-vibram!.htm
(5) Veja seu último discurso em: https://www.youtube.com/watch?v=X88Cg_3CXDU

(6) http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/04/credores-pedem-embargo-de-nova-emissao-de-divida-da-argentina.html

sexta-feira, 21 de julho de 2017

PENSAMENTO DO DIA...

 “Bona fides contraria est fraudi et dolo”
‘A boa fé é contrária à fraude e ao logro’


O presidente da República deste país ao aumentar impostos, pediu desculpas ao povo e disse que esperava que o mesmo o compreendesse. Esses são tipos de atos inescusáveis, já que sempre temos “crises econômicas recorrentes” e sempre quem “paga a conta” é o povo. Só para objetivar as coisas; no caso do aumento de hoje dos combustíveis, além de levar a aumentos de todos os gêneros produzidos no país que recorrem a transportes (fretes), também a arrecadação será em cascatas. Ora, sabemos que o governo tem muitas outras fontes de receita de onde buscar recursos financeiros, ou seja, de contingenciamento orçamentário, de suspensão de renúncias e benefícios fiscais indevidos ou extemporâneos, de isenções, revisões de exclusão de receitas de imunidades anfibológicas, de redução dos efeitos da Lei Kandir, de combate à sonegação, de evasão, de fraudes contra a Administração Tributária, de redução drástica da informalidade e as perdas na Balança Comercial. Só com estas providências o governo já teria uma soma imensa de Receita a mais para o Erário Público, sem falar no exercício do Direito Constitucional de cobrar impostos de “grandes fortunas” (art. 153, inciso VII da CF), até hoje não disciplinado por Lei Complementar, e a Reforma Tributária que deveria ser a primeira das Reformas, o país certamente sairia do “aperto financeiro” e nunca mais teria “déficits”, nem primários e tampouco efetivos, e ainda teria recursos financeiros para investir em obras de essencial importância ao país. Portanto, para mim é nota zero neste mais um passo negativo dado pelo governo Temer. Seu pedido de desculpas, para mim, não tem fundamento.